Me formaste.

Vendo o tesouro,

A pérola enterrada,

Tua alegria foi completa:

Sou terreno do divino.

Na anticultura do garimpo,

Amaste o ouro e a lama.

E como quem chama,

Ao pé do ouvido,

Passo a passo,

Vens trazendo à tona,

A riqueza escondida.


Poesia anterior:    123. Efeméride
Próxima poesia:    125. No encalço
Print Friendly, PDF & Email