Carregou nossas dores
As que nem conhecíamos
E as que nem ainda sentíamos

E foi julgado culpado
Caluniado por falas maldizentes
Condenado por atos delinquentes

Da morte, a vida fez nascer

Ressurecto, não pode mais morrer.


Poesia anterior:    10. Lázaro
Próxima poesia:   12. O jardineiro
Print Friendly, PDF & Email