“A quem iremos, Senhor?” ( Jo 6,68)

 

“Quem experimenta a beleza
está em comunhão com o sagrado”.
(Rubem Alves)

 

É no topo da colina, na cidade de Conceição do Mato Dentro, região Metropolitana de Belo Horizonte que, desde 1787, milhares de fiéis romeiros, vindos de várias paróquias e cidades se encontram no Santuário dedicado ao Senhor Bom Jesus de Matozinhos, para um grande encontro de fé, marcado pela religiosidade popular.

Quando levantamos os olhos e vemos toda aquela gente acampada ao redor do Santuário sob tendas de lonas, chegamos a imaginar uma cena bíblica. É o Jubileu do Senhor Bom Jesus de Matozinhos. Essa bela experiência de encontro permite que cada romeiro e romeira consigam experimentar a fé e alimentá-la para seguir em frente.

Ao contemplarem a glorificação de Cristo na Cruz, o Filho de Deus encarnado,ainda que de forma inconsciente, dizem: “A quem iremos, Senhor?” (Jo 6,68). E, em cada novo olhar, em cada oração, acrescentam: “Só tu tens palavras de vida eterna!”. Tamanha é a beleza daquele lugar que se sente a comunhão com o sagrado.

Assim como o apóstolo Pedro, os peregrinos confiam em Jesus, bem mais do que compreendem em profundidade o seu projeto. São pessoas de fé, cheias de confiança no Senhor Bom Jesus que, na Cruz, é glorificado! Pessoas que, com o Crucificado, se identificam por meio de suas vidas sofridas, doídas, exploradas, crucificadas. Esperam no Bom Senhor e o reconhecem, com toda a confiança, como sendo o Filho de Deus que sofre as dores na carne humana.

Movidos pelo desejo de realizarem um grande encontro com o Bom Jesus, os romeiros fazem a sua experiência de fé. Percorreram um longo caminho até chegarem a esse lugar. Reconhecem a Cristo como único Salvador! Confiam inteiramente nele com quem se identificam. É nele que encontram forças e coragem para combaterem o bom combate, guardando a fé (2Tm 4,7a), para testemunharem o Cristo presente na realidade, em todos os momentos da vida.

Ao contemplar o Cristo Crucificado, o povo de Deus o reconhece como sendo a única fonte de onde vem a Palavra de Vida. Ele, que veio de Deus assumindo nossa carne, volta para Deus levando consigo toda a carne humana, destinatária da vida em plenitude! “A quem iremos, Senhor?”


Crônica anterior:    114. Colo de pai
Próxima crônica:    116. Alegria
Print Friendly, PDF & Email