Geme e chora a criação,
Pela finitude aprisionada.
Dói, lateja a existência.
Nas tramas da madrugada.

Ao raiar do novo dia.
Vida nova, renascimento.
Com o Ressurrecto dentre os mortos,
Tem a morte aniquilamento.

Cada vida, negra ou branca.
Velho, adulto ou criança.
Cada bicho e cada planta.
Vê renascer a esperança.

Cada ser que pulsa e vibra,
Pelo pecado, antes dormente,
Se liberta da opressão,
Em Jesus Cristo, o Vivente.

Até mesmo a serpente,
Lá no Gênesis amaldiçoada,
Recebe a força dessa Páscoa,
E é por ele libertada.


Poesia anterior:  111. Sem vida
Próxima poesia:   113. Míriam
Print Friendly, PDF & Email