Para curar a cegueira de cada dia…
Para não esquecer da santa alegria…
Para não morrer de teimosia…
Dai-me anjos como, companhia! 


Poesia anterior:   107. Longe das celas
Próxima poesia:    109. O pássaro de Deus
Print Friendly, PDF & Email